Custo de bomba de drenagem pode ser incluído em plano de reconstrução

O ministro da Secretaria Extraordinária da Presidência da República de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta, anunciou, nesta terça-feira (21), em Porto Alegre, a inclusão do custo de contratação de bombas para drenagem das águas das enchentes nos planos de trabalho dos municípios afetados pelas chuvas. Para que isso ocorra, o governo irá modificar a redação de uma portaria que trata dos planos municipais de reconstrução. Também será incluída a possibilidade de custeio de serviços de esgotamento sanitário e de recuperação dos diques para represamento de águas correntes. Paulo Pimenta destacou a prioridade de escoar as águas das cheias dos rios. “Uma das questões centrais, hoje, para o nosso trabalho, é conseguir tirar essa água. Praticamente tudo que nós temos que fazer daqui para frente, aqui na região metropolitana, depende de tirar água, para a gente poder saber a situação dos imóveis, para as pessoas poderem voltar para casa e saberem a situação do seu imóvel, de sua casa”. Notícias relacionadas:Sobe para 161 número de mortes por chuvas no Rio Grande do Sul.Saúde anuncia mais R$ 202 milhões para o Rio Grande do Sul.Municípios constroem proposta de enfrentamento às mudanças climáticas.“Infelizmente, na medida que esse sistema de diques acabou sendo violado, ou a água passou por cima ou rompeu o dique, ela [a água] vai levar muito tempo para sair. Daí um trabalho muito forte para ampliar essa capacidade para que essas bombas efetivamente possam, no próximo período, cumprir esse papel”, declarou o ministro. Bairro Farrapos, em Porto Alegre, continua alagado - Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil Prefeituras O ministro da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, disse que a inclusão dos custos atende às solicitações feitas pelas prefeituras da região metropolitana de Porto Alegre. “A portaria permite que os prefeitos apresentem planos de trabalho, especificamente, para esgotamento da água e, também, revitalização dos sistemas. Não aquela revitalização estrutural, porque requer estudo, mas a revitalização para evitar vazamentos e fazer fechamentos. É o que chamamos de restabelecimento do processo de resposta a desastres”, explicou. Os ministros, além do secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Wolnei Wolff, visitaram nesta terça-feira, em Porto Alegre, o local onde as bombas de água foram instaladas no bairro Sarandi. Por enquanto, há duas bombas operando, mas o ministro Paulo Pimenta revelou que a previsão é que, até esta quarta-feira (22), 18 bombas cheguem à região metropolitana da capital. Bairro Farrapos, em Porto Alegre, continua alagado - Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil Pimenta prevê a ampliação da oferta de novos equipamentos desse tipo. “Durante essa semana, devem chegar bombas que vêm do Ceará. E hoje [terça-feira], o ministro Waldez Góes conversou com o ministro Alexandre Silveira [Ministério de Minas e Energia] para que a gente busque também o apoio da Petrobras para ampliar a capacidade de trabalho de retirada da água represada na região metropolitana, que é uma questão central no nosso trabalho”. “Todas as bombas que vieram para cá foram transportadas pelas Forças Armadas, ou pelo Exército e pela FAB [Força Aérea Brasileira], parte por aviões, parte por caminhões. São estruturas enormes que exigem todo [plano] de logística de transporte complexo. Elas precisam ser desmontadas, montadas e colocadas em operação para cumprir esse papel necessário e importante de poder trabalhar neste esgotamento”, disse Pimenta. O Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional tem tratado com governadores de vários estados o empréstimo de bombas de água para retirar a água represada na região metropolitana de Porto Alegre, como as unidades emprestadas pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). “Até o fim do dia de hoje [terça-feira], a previsão é que tenhamos as 18 bombas da Sabesp aqui. Então, vamos começar a mobilização pelo Ceará, depois Alagoas. Agora, mais essa frente aberta é com a Petrobras a partir do contato que nós fizemos com o ministro Alexandre Silveira. E já vieram quatro bombas nos aviões da Força Aérea [Brasileira]”, disse Góes.

Custo de bomba de drenagem pode ser incluído em plano de reconstrução

Logo Agência Brasil

O ministro da Secretaria Extraordinária da Presidência da República de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta, anunciou, nesta terça-feira (21), em Porto Alegre, a inclusão do custo de contratação de bombas para drenagem das águas das enchentes nos planos de trabalho dos municípios afetados pelas chuvas. Para que isso ocorra, o governo irá modificar a redação de uma portaria que trata dos planos municipais de reconstrução. Também será incluída a possibilidade de custeio de serviços de esgotamento sanitário e de recuperação dos diques para represamento de águas correntes.

Paulo Pimenta destacou a prioridade de escoar as águas das cheias dos rios. “Uma das questões centrais, hoje, para o nosso trabalho, é conseguir tirar essa água. Praticamente tudo que nós temos que fazer daqui para frente, aqui na região metropolitana, depende de tirar água, para a gente poder saber a situação dos imóveis, para as pessoas poderem voltar para casa e saberem a situação do seu imóvel, de sua casa”.

Notícias relacionadas:

“Infelizmente, na medida que esse sistema de diques acabou sendo violado, ou a água passou por cima ou rompeu o dique, ela [a água] vai levar muito tempo para sair. Daí um trabalho muito forte para ampliar essa capacidade para que essas bombas efetivamente possam, no próximo período, cumprir esse papel”, declarou o ministro.

Porto Alegre (RS), 21/05/2024 – CHUVAS/ RS - ENCHENTE - Bairro Farrapos, em Porto Alegre, continua alagado. Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Bairro Farrapos, em Porto Alegre, continua alagado - Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Prefeituras

O ministro da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, disse que a inclusão dos custos atende às solicitações feitas pelas prefeituras da região metropolitana de Porto Alegre. “A portaria permite que os prefeitos apresentem planos de trabalho, especificamente, para esgotamento da água e, também, revitalização dos sistemas. Não aquela revitalização estrutural, porque requer estudo, mas a revitalização para evitar vazamentos e fazer fechamentos. É o que chamamos de restabelecimento do processo de resposta a desastres”, explicou.

Os ministros, além do secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil, Wolnei Wolff, visitaram nesta terça-feira, em Porto Alegre, o local onde as bombas de água foram instaladas no bairro Sarandi. Por enquanto, há duas bombas operando, mas o ministro Paulo Pimenta revelou que a previsão é que, até esta quarta-feira (22), 18 bombas cheguem à região metropolitana da capital.

Porto Alegre (RS), 21/05/2024 – CHUVAS/ RS - ENCHENTE - Bairro Farrapos, em Porto Alegre, continua alagado. Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Bairro Farrapos, em Porto Alegre, continua alagado - Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

Pimenta prevê a ampliação da oferta de novos equipamentos desse tipo. “Durante essa semana, devem chegar bombas que vêm do Ceará. E hoje [terça-feira], o ministro Waldez Góes conversou com o ministro Alexandre Silveira [Ministério de Minas e Energia] para que a gente busque também o apoio da Petrobras para ampliar a capacidade de trabalho de retirada da água represada na região metropolitana, que é uma questão central no nosso trabalho”.

“Todas as bombas que vieram para cá foram transportadas pelas Forças Armadas, ou pelo Exército e pela FAB [Força Aérea Brasileira], parte por aviões, parte por caminhões. São estruturas enormes que exigem todo [plano] de logística de transporte complexo. Elas precisam ser desmontadas, montadas e colocadas em operação para cumprir esse papel necessário e importante de poder trabalhar neste esgotamento”, disse Pimenta.

O Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional tem tratado com governadores de vários estados o empréstimo de bombas de água para retirar a água represada na região metropolitana de Porto Alegre, como as unidades emprestadas pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

“Até o fim do dia de hoje [terça-feira], a previsão é que tenhamos as 18 bombas da Sabesp aqui. Então, vamos começar a mobilização pelo Ceará, depois Alagoas. Agora, mais essa frente aberta é com a Petrobras a partir do contato que nós fizemos com o ministro Alexandre Silveira. E já vieram quatro bombas nos aviões da Força Aérea [Brasileira]”, disse Góes.