Categorias
Futebol Paranaense

Athletico e Coritiba farão a 19ª final de Paranaense; relembre as anteriores e quem leva a melhor

Com a vitória sobre o Cianorte do Coritiba, e o empate em 0x0 do Athletico com o FC Cascavel, o Campeonato Paranaense 2020 conheceu seus finalistas, os mais tradicionais campeões.

São 79 anos de Atletibas em decisões estaduais. O maior clássico paranaense teve sua primeira final de Estadual em 1941. Desde então, foram 18 confrontos, com nove vitórias para cada lado. Agora, será feito o tira-teima

Confira a lista de Atletibas na final:

1941 – Primeira final Atletiba

O regulamento determinou o encontro dos rivais pela primeira vez em decisões. Em duas partidas, o Coritiba se sagrou campeão após vencer os dois jogos: 3×1 no Joaquim Américo e 1×0 no Belfort Duarte. O Athletico contava com figuras lendárias de sua história, como Cajú e Gotardo. Já o Coxa contou com a inspiração do meia Neno para conquistar o campeonato sobre o rival pela primeira vez.

1943 – Athletico dá o troco

Com o Coxa campeão do primeiro turno e o Furacão campeão do segundo, o clássico foi a decisão novamente. O Rubro-Negro contou com uma defesa de pênalti do goleiro Caju na primeira partida da final, na casa alviverde, e venceu a segunda com o gol da vitória saindo de jogada do contundido Batista – na época ainda não havia substituição no futebol – para Lilo marcar.

1945 – Furacão em vantagem

Campeão do turno, o Athletico reencontrou seu rival, que conquistou o returno, na final. O Coritiba venceu a ida, no Alto da Glória, por 2×1. Com a vitória por 5×4 do Furacão, na volta, no Joaquim Américo, a decisão foi para o terceiro jogo. Novamente no Belfort Duarte, o Rubro-Negro conquistou a taça na prorrogação, com gol do atacante reserva Xavier.

1968 – Jejum de Atletibas

Após 23 anos sem decidir o campeonato, veio o Atletiba de 1968. Com vantagem de jogar por dois resultados iguais, o Athletico não conseguiu segurar o Coritiba na primeira partida e perdeu por 2×1, na casa alviverde. Na volta, na Vila Capanema, o Furacão vencia por 1×0 e comemorava o caneco até os 45 do segundo tempo, quando o atacante Paulo Vecchio empatou e chegou à segunda conquista sobre o rival. Nos elencos, grandes nomes como Krüger, do lado alviverde, e Belini, do lado rubro-negro.

1972 – A volta de Krüger

Após passar quase dois anos ausente dos gramados, após fraturar a face em dividida com o goleiro do Água Verde, o campeonato marcou o retorno do Flecha Loira. O ídolo alviverde, inclusive, marcou o gol que acabou dando o título ao Coxa, no Alto da Glória. A volta foi um empate sem gols, que coroou o Coritiba campeão.

1978 – Decisão sem bola na rede

Foram três partidas disputadas no Couto Pereira e três empates sem gols. O Furacão, que dominou o campeonato todo, não conseguiu superar a defesa alviverde em nenhuma das três partidas, marcadas pelo clima tenso e pelas inúmeras confusões em campo. A decisão, nos pênaltis, teve como protagonista o goleiro coxa-branca Manga, que defendeu duas cobranças e ajudou o time a levantar o caneco.

1983 – Joel decisivo

Após passar pelo quadrangular final nas duas primeiras posições, os rivais decidiram o campeonato em dois jogos no Couto Pereira. O avante rubro-negro Joel marcou o gol da vitória na primeira partida. Na segunda, Lela chegou a dar esperanças para a torcida alviverde, mas o mesmo Joel empatou e deu a taça para o Furacão.

1990 – Dirceu, o carrasco

Com vantagem de dois resultados iguais pela melhor campanha ao longo do torneio, o Athletico saiu atrás nas duas partidas, mas contou com a estrela do atacante Dirceu para chegar ao empate. Na mesma competição, marcou quatro vezes contra o rival, incluindo as duas decisões, e foi a grande figura da conquista.

1998 – O campeonato dos Atletibas

Foram sete clássicos entre os rivais no campeonato. Nas fases classificatórias o Coritiba levou vantagem, vencendo dois e empatando um, enquanto só uma vez o Athletico saiu vitorioso. Já nas finais a sequência foi invertida e, após o empate em 1×1 na primeira partida, no Couto Pereira, o Furacão venceu as duas seguintes para ficar com a taça. Foi a última vez que as duas equipes fizeram a final no Pinheirão, já que a partir de 1999 a Arena da Baixada foi reinaugurada.

2000 – Domínio

Mesmo dividindo as atenções com a disputa da Libertadores, o Athletico liderou o campeonato do começo ao fim. Chegou à final com a melhor campanha e jogava por dois empates na decisão. Dois resultados de 1×1, primeiro no Couto, depois na Arena, selaram o caneco atleticano, com o gol do título saindo da cabeça do zagueiro Gustavo.

2004 – Tuta vira-casaca

Tuta, que foi campeão com o Atlético em 98, foi a grande estrela da decisão de 2004. Após vitória coxa-branca por 2×1 na ida, a volta foi do avante alviverde, que marcou dois gols, o de empate em 3×3 faltando 10 minutos para o fim da partida, para garantir a taça.

2005 – Lima vira-casaca

Se no ano anterior quem roubou a cena foi Tuta, outro jogador que mudou de lado da rivalidade foi protagonista, o avante Lima. Após vitória alviverde na ida, no Pinheirão, na volta Denis Marques decretou o triunfo rubro-negro e levou a decisão para os pênaltis. Lima, reserva do Furacão naquele ano, entrou na partida e fez a cobrança final, marcando o gol que deixou a taça na Arena da Baixada.

2008 – O iluminado

O atacante Henrique Dias entrou para a história do Coritiba por ser predestinado. No ano anterior, marcou nos acréscimos o gol que deu o título da Série B para o Coritiba. Em 2008, marcou novamente, na final do Estadual, na Baixada, para dar o título ao time alviverde. Após perder por 2×0 a ida, no Couto, o Athletico devolvia o placar em casa até a metade do segundo tempo, quando Henrique Dias descontou e deu o título ao Coxa.

2012 – Guerrón

O equatoriano foi contratado cercado de expectativa, pela campanha que fez com a LDU na Libertadores. Formou ataque ao lado de Bruno Mineiro, destaque do Furacão, que foi artilheiro do certame. Após empate em 2×2 na primeira partida, a finalíssima ficou no empate sem gols e o Athletico perdeu o título graças ao erro do equatoriano, que desperdiçou sua cobrança na disputa de penalidades. A batida certeira de Éverton Ribeiro garantiu o titulo coxa-branca.

2013 – Alex grita é campeão com o Coxa

Foto: Albari Rosa/Arquivo

No primeiro ano de implementação do time sub-23 atleticano, que jogava o Paranaense enquanto os principais jogadores do elenco se preparavam para a disputa do Brasileirão, os rubro-negros chegaram à decisão, mas encontraram um rival em busca do tetracampeonato e com o meia Alex, próximo da aposentadoria, com sede de levantar seu primeiro troféu pelo clube. O empate em 2×2 na ida deixou a decisão aberta, mas na volta, o menino de ouro do Alto da Glória marcou duas vezes e o Coritiba conquistou o Estadual.

2016 – Walter e as coxinhas

Foto: Albari Rosa/Arquivo

Sem vencer o Estadual desde 2009, o Rubro-Negro voltou a erguer a taça com o bônus de aplicar uma goleada por 5 a 0, no placar agregado, sobre o Coxa – 3×0 na Arena da Baixada e 2×0 em pleno Couto Pereira. Na ocasião, o atacante Walter foi o grande nome do Atletiba. Foi ele quem abriu a contagem no jogo de volta, encerrando um jejum de 17 partidas sem gols com a camisa atleticana. Após o apito final, o camisa 18, eufórico, brincou com o resultado e a polêmica do seu sobrepeso: “Hoje estou liberado, hoje pode cinco coxinhas”.

2017 – A vingança alviverde

O Alviverde não deixou barato a goleada anterior na decisão de 2017. Venceu o Furacão por 3×0 dentro da Arena da Baixada no jogo da ida e empatou, sem gols, dentro do Couto Pereira para erguer seu 38.º troféu estadual. O time comandado pelo técnico Pachequinho ainda quebrou o tabu do rival, que sustentava oito meses de invencibilidade dentro da Arena. Liderados pelos experientes Anderson e Kléber Gladiador (artilheiro do campeonato), os jogadores coxa-brancas haviam prometido o título paranaense na primeira fase do torneio.

2018 – Aspirantes fazem a festa

Foto: Albari Rosa/Arquivo

Mesmo com o time de aspirantes, que contava com personagens que se consagrariam no futuro, como Renan Lodi, Léo Pereira e Bruno Guimarães, além do técnico Tiago Nunes, o Athletico levou a melhor no clássico e igualou o número de vitórias sobre o Coritiba em finais. Como havia perdido o jogo de ida por 1×0, o Furacão precisava vencer por dois gols de diferença para ser campeão. E conseguiu. Ederson e Bruno Guimarães deram a taça ao Rubro-Negro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *